LGBT Comics

Blog sobre personagens LGBT+ dos comics e derivados (seriados, filmes, etc.).

Licença

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.

quarta-feira, 13 de junho de 2018

Love Is Love: Homens também podem ser Safiras Estrelas!


AVISO: Este artigo contém spoilers de Wonder Woman Annual #2 (2018).
Isso é uma tradução feita pelo autor deste blog de uma matéria encontrada aqui.

Em Wonder Woman Annual #2 (2018) Diana Prince, a Mulher Maravilha, é levada pelas Safiras Estrelas e transportada para o planeta natal delas, Zamaron. Lá, as Lanternas Violetas estão travando uma batalha perdida contra um Deus Sombrio (Dark God). Encontrando-se sem uma líder, as Safiras procuraram a Mulher Maravilha, uma de suas mais poderosas campeãs.

Sim, Diana foi brevemente uma Safira Estrela nas páginas de Geoff Johns e do desenhista brasileiro Ivan Reis da série de eventos Blackest Night. Contudo, isso marca a primeira vez em quase uma década que Diana usa um anel violeta do amor, uma arma que ela toma novamente para ajudar suas irmãs da Tropa das Safiras Estrelas a derrotar um ser de imenso poder (Karnell, o deus do amor entre os Deuses Sombrios).

Karnell, o terrível
deus do amor
Enquanto ela luta ao lado das outras Safiras, Diana comenta sobre algo diferente no grupo. As fileiras da Tropa das Safiras Estrelas, que costumavam ser exclusivas de mulheres e fêmeas de várias espécies alienígenas, agora se expandiram para incluir homens e outras formas de vida masculinas (ao menos um homem foi atestado nessa estória, cujo nome, infelizmente, não foi mencionado).

Embora Safira Estrela tenha aparecido pela primeira vez como uma vilã em Flash and Green Lantern ('Flash e Lanterna Verde') em 1948, a Tropa das Safiras Estrelas só foi apresentada em 2007, nas páginas de Green Lantern ('Lanterna Verde'). Aqui, foi revelado que a missão das Safiras Estrelas era espalhar o amor pelo Universo. Por essa razão, seus membros eram exclusivamente femininos, um reflexo de sua crença de que apenas mulheres eram capazes de abrigar adequadamente sentimentos de amor.

Quando Diana Prince se encontra em Zamaron em Wonder Woman Annual #2, ela é saudada por Safiras Estrelas mulheres. Elas lhe contam sobre sua situação contra o Deus Sombrio, e Diana se junta aos seus esforços. Quando o Deus Sombrio é derrotado e quando as Safiras agradecem à Mulher Maravilha por sua ajuda, Diana observa algo diferente. Ela lhes diz que elas são todas suas irmãs, "Ou 'irmão', pelo que notei."

O verdinho ali é uma Safira Estrela!
"Amor é amor," responde uma Safira, refletindo o mantra da comunidade LGBTQ+ ('Love Is Love'), "não importa quem tem o coração." Depois de anos sendo uma tropa apenas de personagens femininas, as Safiras Estrelas mudaram agora sua principal regra. Agora, elas reconhecem que tanto formas de vida masculinas como femininas são capazes de espalhar o amor no Universo. É um grande passo adiante em inclusão para elas, e um sinal de que elas estão adotando um modo de pensar mais progressivo. Não importa de que sexo uma pessoa seja, tudo o que importa é o que está em seu coração e o amor que tem para com aqueles que estão ao seu redor.

Com uma virada tão significativa, é apenas uma questão de tempo até que um personagem masculino popular da DC (além do Lanterna Verde John Stewart) se torne uma Safira Estrela. Mas quem?
___________________________

Nota do blogueiro: Já houve homens que usaram o anel violeta do amor e/ou que incorporaram a luz violeta do amor no passado, mas nenhum foi oficializado membro da Tropa das Safiras Estrelas (também chamada Tropa das Lanternas Violetas), sendo que Wonder Woman Annual #2 é a primeira edição em que isso acontece, e é claro que tinha que ser nas páginas de Mulher Maravilha, a destruidora de tabus!
E aí, o que vocês acharam dessa novidade?

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Super Gay Friends!

Super Gay Friends!
Anole, Shatterstar e Rictor, Karma, Mystique, Northstar, Daken, Karolina, Xavin, Wiccan e Hulking, by Arzeno